DBV,

O Mecanismo já é uma das séries mais assistidas da Netflix no Brasil.

22 abril Marcia Cruz 0 Comments

O boicote não deu certo! Lançada dia 23 de março de 2018, a série O Mecanismo, de José Padilha, já é uma das séries mais assistidas da Netflix Brasil. Baseada no livro 'Lava Jato – O juiz Sergio Moro e os bastidores da operação que abalou o Brasil', do jornalista Vladimir Netto, O Mecanismo já sofreu ameaças de processo dos ex-presidentes do PT, Luis Inácio Lula da Silva e Dilma Rousseff que, assim como outras pessoas envolvidas na Operação Lava Jato, são retratados na série com nomes diferentes.

A 1ª temporada da trama tem apenas oito episódios e sua continuação ainda não foi confirmada. Mas, pelo sucesso que já alcançou e que tende a crescer, a Netflix já comunicou que a série está no caminho para se tornar um dos maiores sucessos da empresa no país, estando no patamar das produções mais vistas pelos brasileiros, a exemplo de “Stranger Things” ou “Demolidor”, que conquistaram o público brasileiro.




Na reunião com acionistas em que foram apresentados seus resultados fiscais para o primeiro trimestre de 2018, a Netflix também comemora uma receita bruta de US$ 3,6 bilhões, um crescimento de 43% na comparação com o mesmo período de 2017, e um aumento em mais de 7 milhões de assinantes em todo o mundo.

Saiba, a seguir, quem é quem, entre os principais personagens reais e fictícios da série. 

Selton Mello como o protagonista Marco Ruffo, é um delegado da Polícia Federativa, inspirado no policial federal aposentado Gerson Machado.


O juiz Sérgio Moro, na série, aparece com o nome de Paulo Rigo, e é interpretado pelo ator Otto Jr..

O ex-presidente Lula, condenado por Sérgio Moro pelo caso do triplex em Guarujá, é na série o personagem João Higino, vivido por Arthur Kohl. Uma das maiores polêmicas da série é uma fala de Higino, que fala em "estancar a sangria". Na vida real, a frase não é de Lula, e sim de Romero Jucá.

Na série, Dilma Rousseff aparece como Janete Ruscov (Sura Berditchevsky), ainda antes de ser eleita por duas vezes presidente da República - e de sofrer o processo de impeachment. 

A marqueteira de Dilma nas campanhas presidenciais, Mônica Moura, presa pela Lava Jato, aparece na série interpretada por Maria Ribeiro, como Andrea Mariano.

O empresário Marcelo Odebrecht, um dos primeiros grandes nomes a ser preso em decorrência da Operação Lava Jato, é na série retratado por Emilio Orciollo Netto, como Ricardo Brecht. Sua empresa, Odebrecht, é vista na série como Miller & Brecht.

O doleiro Alberto Youssef na série é Roberto Ibrahim, vivido por Enrique Diaz.

Se na série, a Petrobras é a PetroBrasil, o seu ex-diretor Paulo Roberto Costa, preso pela operação, é o João Pedro Rangel, vivido por Leonardo Medeiros.

Assim como Selton Mello, a personagem de Carol Abras, Verena Cardoni, é inspirada por uma delegada da Polícia Federal, Erika Mialik Marena.

O presidente Michel Temer aparece na série como Samuel Themes, vivido por Tonio Carvalho.

O procurador da República Deltan Dallagnol também é retratado na série. Antonio Sabóia é o responsável por viver o procurador Dimas Donatelli.

0 comentários: